terça-feira, 12 de setembro de 2017

O PASTOR NÃO TRABALHA

Resultado de imagem para o pastor

O PASTOR NÃO TRABALHA

Se um Professor estuda, se prepara e dá uma aula de 45 minutos, ele está trabalhando.
Se um Pastor estuda, se prepara e prega uma mensagem de 45 minutos, ELE NÃO TRABALHA.
Se um Psicólogo atende e aconselha pessoas, ele está trabalhando.
Se um Pastor atende e aconselha pessoas, ELE NÃO TRABALHA.
Se um Administrador se organiza, faz reforma, contrata mão de obra, e gerencia uma empresa, ele está trabalhado…
Se um Pastor se organiza, faz reforma, contrata mão de obra e gerencia uma igreja, ELE NÃO TRABALHA.
Se um contador faz os cálculos, economiza, equilibra as finanças e faz investimentos, ele está trabalhando…
Se um Pastor faz cálculos, economiza, equilibra as finanças e faz investimentos na igreja, ELE NÃO TRABALHA.
Se qualquer um desses tirar férias, é justo, afinal, eles trabalham…
Já um pastor não pode tirar férias, não deve receber salário, e não merece respeito…
Afinal, ELE NÃO TRABALHA.

VIDA DE PASTOR:
PASTOR É ALVO DAS MAIS DESENCONTRADAS OPINIÕES…

Se o Pastor é ativo – É ambicioso
Se é calmo – É preguiçoso
Se o Pastor é exigente – É intolerante
Se não exige – É displicente
Se o Pastor visita – É incômodo
Se não visita – É irresponsável com as ovelhas
Se o Pastor fica com os jovens – É imaturo
Se fica com os adultos – É antiquado e ultrapassado
Se fica com as crianças – É infantil
Se procura atualizar-se – É mundano
Se não atualizar-se – É que tem a mente fechada
Se o Pastor cuida da família – É descuidado com a Igreja.
Se o Pastor cuida da Igreja – É descuidado com a família
Se prega pouco – É que não tem mensagem
Se prega muito – É enfadonho
Se não tem boa oratória – É despreparado
Se tem boa oratória – É exibido
Se procura agradar a todos – É sem personalidade
Se é positivo, e procura corrigir – É parcial
Se o Pastor se veste bem – É vaidoso
Se veste mal – É relaxado
Se não sorri – É cara dura
Se o Pastor ri – É irreverente
Se realiza novos programas – É que só quer viver de promoções
Se não realiza – É que não tem ideias
Se o Pastor é alegre – É sem postura
Se chora no púlpito – É chorão
Se o Pastor organiza trabalho – É explorador do rebanho
Se não organiza – É que não dá trabalho ao rebanho
Se o Pastor fala alto – É irritante
Se fala baixo – É um coitado, não tem voz ativa
Se o Pastor prega na rua – Está barateando o evangelho
Se só fica na igreja – É acomodado nas quatro paredes
Se o pastor está triste - É porque perdeu a fé.
Se o pastor fica doente - É porque está na carne (em pecado).

Ser Pastor é um tremendo desafio. É uma questão de chamada e de entrega.
O Pastor é uma pessoa, que tem sentimentos! Entenda o seu Pastor!
O Pastor é um ser humano que precisa das ovelhas, tanto quanto precisamos dele. É o portador das Boas Novas. Ame e entenda seu Pastor. Ore e apoie o seu Pastor. Ele é carente de oração.
by Facebook Leandro Barreto

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

CARNAVAL GOSPEL. VOCÊ CONCORDA?


Foliões em baile de Carnaval da Bola de Neve Church

Dá para ser evangélico e curtir o Carnaval?

Igrejas mais tradicionais costumam chiar. A praxe, afinal, é enviar seus fiéis para retiros bem afastados dos pecados da carne purpurinada.

Outras aproveitam a multidão para pregar a palavra –caso de uma igreja metodista carioca que já estendeu na fachada um cartaz para os foliões do bloco Sovaco de Cristo, no Jardim Botânico, bairro aos pés do Cristo Redentor: "Não fique só no sovaco! Conheça Cristo por inteiro!".

A Bola de Neve Church preferiu cair no samba. No domingo (12), levou à sua sede de Guarulhos (SP) a Batucada Abençoada, bateria da igreja famosa por usar pranchas de surf como púlpito.

Com abadás à venda por R$ 30 (dinheiro) ou R$ 35 (cartão), dezenas de fiéis entoam adaptações evangelizadoras de sambas e também de hits pop. Em "Pelados em Santos", do Mamonas Assassinas, não é mais a mina do corpão violão que enlouquece o cara. "Jesus me deixa doidããããão", diz o refrão reformulado.
Há também versão para "Seven Nation Army", o rock do White Stripes que virou hino de torcidas organizadas. É delas que vieram 80% dos batuqueiros da Bola, calcula o corintiano Rodney Lopez, 35. Ele era da Gaviões da Fiel antes de se converter e entrar no primeiro time da bateria, em 2006. "Quando conheci Deus, algo fazia falta. Queria fazer o que fazia no mundo, mas dentro da igreja."

CUMPRA-SE A LEI

O Carnaval evangélico, com muito batuque e zero álcool e azaração, ganha força nas ruas do país. Santos instituiu, via lei municipal de 2014, o Dia do Evangelismo de Carnaval Bola de Neve. Todo sábado desse feriado, a bateria da igreja percorre cerca de 10 km da orla santista. Atraiu em 2016, segundo o Corpo de Bombeiros, 18 mil pessoas.

A arena deste ano, no dia 25, terá food truck, palco com música eletrônica e 12 camarotes para 14 pessoas (R$ 3.000 cada espaço), diz o pastor Eric Viana, 40, idealizador da Batucada Abençoada.

No sermão, brinca com a plateia: "Quem é solteiro aqui? Então compra logo dois [abadás]!". À Folha ele conta por que começou a bateria: não fazia sentido se isolar num retiro enquanto cidades eram tomadas por "toda a negatividade do Carnaval mundano". Cita como reveses gravidez indesejada, motoristas alcoolizados, latinhas de cerveja na rua, namoros que terminam.
"A gente se sentiu bastante egoísta em viver a alegria de Deus refugiado disso tudo", diz Viana, um ex-fã de cocaína e Iron Maiden que vendeu o cabelo comprido na Galeria do Rock, em São Paulo, para comprar um terno ao encontrar Jesus, 25 anos atrás. "Só depois percebi que a transformação não era por fora." Ele agora combina jeans com blusa justa no muque e usa expressões como "os pastores são top mesmo".

Salvador também tem seu bloco evangélico, organizado no Pelourinho pela Igreja Batista Missionária da Independência. Para 2017, a novidade é o funkeiro gospel Tonzão, do hit "Passinho do Abençoado" ("Invés de dançar igual homem/ Ele deu uma reboladinha/ Que isso, varão vigia/ Ele vai pra igreja de olho nas irmãzinhas/ Que isso, varão vigia"). Após se converter, Tonzão largou o grupo Os Hawaianos, conhecido por músicas como "Abecedário da Putaria".
Também convidados: o pagodeiro Waguinho, ex-Os Morenos, e Lázaro, ex-Olodum. No "abadeus" (abadá) do Sal da Terra, o mote: "Jesus é a nossa alegria".
No Rio, a Igreja Batista Atitude desfila o bloco Sou Cheio de Amor desde 2013, na orla do Recreio dos Bandeirantes.

RACHA

Para igrejas mais tradicionais, unir fé e folia gera mais polêmica do que bênção. Olinda (PE), por exemplo, anunciou um polo gospel em seu Carnaval, um dos maiores do Brasil. Uma semana depois cancelou a novidade, a pedido dos próprios organizadores, que ficaram sob fogo amigo de colegas de credo.
A bancada evangélica da Assembleia Legislativa pernambucana não aprovou –o deputado estadual Adalto Santos (PSB) disse que conversaria com o prefeito (que é da mesma fé) sobre o "prejuízo espiritual" do evento.

Para o teólogo Marcelo Rebello, 44, "o cristão não pode ser um alienado". E, uma vez no Carnaval, tem que prevalecer o bom senso: "O crente não tem que ir para o meio do povo e dizer que [os que bebem e se pegam] vão pro inferno".
Fora os "pecados da carne", a festa "muito atrelada a candomblé e umbanda" também incomoda o segmento, diz Rebello, presidente da Associação Brasileira de Empresas e Profissionais Evangélicos. O crente, afirma, "serve a um Deus único", e as múltiplas entidades (como os orixás) seriam uma afronta a evangélicos.

Em 2016, um dos patronos do Império Serrano declarou ao jornal "O Dia" que cairia fora se a escola de samba carioca apostasse num enredo ligado a religiões afro-brasileiras. "Já fui espírita e não tenho nada contra, mas me encontrei na palavra do Deus vivo. O dia em que o Império quiser falar sobre o espiritismo, cabe a mim querer ficar ou não. Mas certamente, eu não ficarei", disse Rildo Seixas, da Igreja Batista.

Procurada pela Folha, a assessoria de imprensa da agremiação respondeu que "a determinação é para não falarmos mais nesse assunto, pois já causou muito mal estar para a nossa comunidade".

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/02/1859374-carnaval-gospel-tem-abadeus-cover-de-mamonas-e-racha-com-tradicionais.shtml

domingo, 8 de janeiro de 2017

VALDOMIRO SANTIAGO LEVA FACADA NO PESCOÇO EM PLENO CULTO

Apóstolo Valdemiro Santiago postou vídeo sobre ataque em culto (Foto: Reprodução)

O líder da Igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD), Valdemiro Santiago, foi esfaqueado durante um culto ocorrido na manhã deste domingo (8/1). Segundo vídeo divulgado por Juliana Santiago gravado no hospital, Valdemiro contou o ocorrido.

Acabando de ouvir um milagre, um testemunho, entrou alguém, não sei quem é, não vi, por trás […] e deu uma facada no pescoço, ou uma navalha, não sei, mas fiquem tranquilos, porque só vai quando Deus quer”, afirmou Valdemiro.

Ao lado de familiares, Valdemiro prometeu que em um futuro próximo voltaria a exercer suas atividades como pastor na instituição. “Eu volto aí para vocês, para abençoar vocês, em nome de Jesus”, disse o líder, que pediu orações.

Por fim, Valdemiro afirmou que espera o perdão divino ao autor dos ataques. “Ela carece de misericórdia, perdão. Não sei quem é, mas tá perdoada em nome de Jesus, tá abençoada. E quem mandou também tá perdoado e abençoado”.

FONTE: Gospel Prime




sábado, 24 de dezembro de 2016

CATÓLICOS DIMINUEM 9 MILHÕES NO BRASIL E PERDEM FIÉIS PARA OUTRAS RELIGIÕES

Resultado de imagem para CATOLICISMO EM DECADÊNCIA
O Brasil ficou ainda menos católico. De outubro de 2014 a dezembro deste ano, a primeira religião cristã do mundo perdeu ao menos 9 milhões de fiéis, ou 6% dos brasileiros maiores de 16 anos, segundo pesquisa Datafolha.
Há dois anos, eram 60% os que se declaravam católicos; neste ano, são 50%. Como a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos, a queda foi de no mínimo 6 e no máximo 14 pontos percentuais –nesse cenário, seriam mais de 20 milhões de fiéis (algo como a população da Grande São Paulo).
No mesmo período, a fatia dos que dizem não ter uma religião mais que dobrou, de 6% para 14%. Mas isso não quer dizer que essas pessoas tenham perdido a crença, diz o professor de sociologia da USP Reginaldo Prandi.
Segundo ele, no mundo todo é cada vez mais comum que as pessoas não se prendam a uma instituição religiosa apenas, ou que exerçam a espiritualidade sem pertencer a uma igreja.
"Pode não ter religião hoje e ter amanhã. Ficou muito ao sabor da época da vida, dos compromissos que se quer assumir. A religião deixou de ser condição obrigatória para ser bom cidadão."
"Socialmente, a religião não tem mais papel nenhum", diz o sociólogo.
O Datafolha ouviu 2.828 brasileiros maiores de 16 anos selecionados por sorteio aleatório, em amostragem representativa da população.
Feita em 174 municípios, a pesquisa tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos (nível de confiança de 95%).

O antropólogo da Unicamp e do Cebrap Ronaldo de Almeida e o professor de filosofia da religião da PUC Luiz Felipe Pondé também veem um processo de desinstitucionalização das religiões.

"A igreja atrapalha, tira a liberdade, é excessivamente racionalista, interesseira ou contrária à pureza interior da busca da fé", diz Pondé.
O filósofo lembra que a recusa à institucionalização está na origem do protestantismo e marca a história das religiões, "que sempre andam à frente achando que vão reencontrar o passado puro".
Almeida avalia que os sem-religião podem incluir também católicos não praticantes ou evangélicos que preferem não declarar sua filiação.
Estimativas globais sustentam essas análises. Dados do Centro Global de Estudos da Cristandade mostram que mesmo os católicos crescem a taxas maiores que a população com um todo, ou sejam, aumentam sua presença no mundo, enquanto encolhe a fatia dos não religiosos.
O ritmo de crescimento da população total é 1,21% ao ano, o de católicos, 1,28%, o de evangélicos, 2,12% e o de pentencostais, 2,20%. As religiões independentes se expandem a taxas de 2,21% (chegando a 2,94% na Ásia).
Já os sem-religião crescem 0,31% por ano, os agnósticos, 0,36%, e os ateus, 0,05%.
No Brasil, ainda que a redução recente na porcentagem de católicos não tenha sido acompanhada por expansão de evangélicos, metade dos protestantes saíram da Igreja Católica, onde foram criados, segundo pesquisa do Instituto Pew.
A mudança de religião se dá antes dos 25 anos, e os convertidos citam como principais motivos para a mudança a maior conexão com Deus (77%) e o estilo de culto da nova igreja (68%).

Mais da metade diz que procurava mais ênfase em moralidade ou encontrou mais ajuda. Procurada, a CNBB (conferência dos bispos) não quis comentar.

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/12/1844365-deixam-de-ser-catolicos-ao-menos-9-milhoes-afirma-datafolha.shtml

quinta-feira, 21 de julho de 2016

CPAD CANCELA EVENTO COM REV. AUGUSTO NICODEMUS

Bom dia - 1 - Cópia

O reverendo presbiteriano Augustus Nicodemus Lopes é bastante conhecido por sua produção teológica de viés calvinista e cessacionista. Por não acreditar na contemporaneidade dos dons do Espírito Santo e ter, no passado, criticado os pentecostais, sua palestra na CPAD Megastore no Rio de Janeiro gerou grande polêmica.
Pertencente à Assembleia de Deus (AD), maior denominação evangélica do Brasil, a CPAD é uma editora confessional. Sua loja no Rio promove seguidamente palestras com autores do segmento evangélico. A fala de Nicodemus seria para promover seu livro “Apóstolos”, lançado pela editora Fiel no ano passado.
Seria, pois acabou cancelada. Desde que foi anunciado o nome de Nicodemus, pastores da AD começaram a pedir para que a loja não fizesse o evento. A reclamação é isso seria uma tentativa de se popularizar a doutrina calvinista na denominação historicamente arminiana.
O articulista Julio Severo comentou o caso, fazendo acusações fortes: “Se a Assembleia de Deus se tornar calvinista, vou dizer o que vai acontecer, cedo ou tarde: A Assembleia de Deus vai ser a primeira denominação pentecostal do Brasil a apoiar o “casamento” gay e o aborto. Como sei? A maior denominação presbiteriana do mundo, que tem milhões de membros nos EUA, faz exatamente isso”
Apesar de assembleiano, o teólogo Gutierres Siqueira foi um dos poucos que ficou em favor da palestra do pastor presbiteriano. Em sua conta no Facebook escreveu: “Eu gostaria de ver, isso sim, a mobilização dessa liderança poderosa contra os modismos neopentecostais em nosso meio. Há inúmeros pregadores e pastores da denominação que, em graus diversos, pregam a maldita teologia da prosperidade, a confissão positiva, a bênção de Toronto, o triunfalismo, o semipelagianismo, o curandeirismo, o mercantilismo da fé, o autoritarismo eclesiástico, o G12, etc. e diante desses lobos não há nenhuma campanha?”.
Houve uma divisão de opiniões, com manifestações tanto contra quanto a favor da realização da palestra. Mas a pressão surtiu efeito e a empresa anunciou a suspensão do evento.
Comunicado
Faltando pouco tempo para a realização da palestra, a CPAD publicou um comunicado oficial, justificando sua decisão.
“Em razão da repercussão não desejada que estava causando nas últimas semanas entre alguns irmãos em Cristo, a palestra foi… por hora, suspensa”, afirma a nota.  Acrescenta ainda que: “Não é do interesse da CPAD causar ou alimentar celeuma alguma dentro da igreja, mas promover a edificação do Corpo de Cristo”.
A CPAD ressalta que continuará realizando eventos para lançamentos de editoras e gravadoras, mas não anunciou se voltará a convidar Augusto Nicodemus.

Explicação
No comunicado, a CPAD diz que a suspensão do evento não teve a ver com o conteúdo do livro nem com a pessoa do pastor Augustus Nicodemus. Informa ainda que “não é do interesse da CPAD causar ou alimentar celeuma alguma dentro da igreja”.
Presbiterianos na casa
Augustus Nicodemus não seria o primeiro ministro presbiteriano a participar de um evento na Casa. Ainda em abril deste, outro nome bastante conhecido, pastor Hernandes Dias Lopes, foi homenageado pelo gerente da Casa no Rio de Janeiro.
fonte: http://www.jmnoticia.com.br/2016/07/18/14752/

domingo, 10 de julho de 2016

JUSTIFICANDO A EXCLUSÃO DO POST SOBRE O EX-MARIDO DE BIANCA TOLEDO.

Olá, a Paz.

Talvez você esteja procurando um texto falando sobre O Lado Oculto de Felipe Heiderich. Bem, como fui advertido sobre a proibição da republicação do texto, resolvi excluí-lo para não ter problemas com a justiça ou com as pessoas implicadas. Desejo a todos os envolvidos apenas a Paz de Cristo em seus corações e o desejo de que se reencontrem na vida para reconstruírem suas histórias em Deus.

Sem mais.

Abraço a todos.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

FRENTE PARLAMENTAR EVANGÉLICA CONFIRMA APOIO AO IMPEACHMENT DE DILMA

BRASÍLIA — O presidente da Frente Parlamentar Evangélica da Câmara, o deputado tucano João Campos (MG), anunciou, nesta quarta-feira, a posição da frente favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Segundo Campos, a bancada evangélica possui hoje 92 integrantes, incluindo a deputada Benedita da Silva (PT-RJ), e sua imensa maioria deverá seguir a orientação de votar a favor do impeachment. Campos afirmou que a decisão foi tomada em reunião realizada na tarde desta quarta-feira, com a participação de 70 deputados, alguns virtualmente.
Em nota lida em coletiva no Salão verde da Câmara, Campos afirma que a decisão foi tomada em razão da "grave crise econômica, moral, ética e política que atravessa o país" e dos "recentes escândalos de corrupção praticados pelo governo e crimes de responsabilidade praticados por Dilma que constituem uma afronta ao povo e ao estado democrático de direito". A nota diz ainda que o processo de impeachment está amparado pelo caminho constitucional e é necessário para que o país "restabeleça a esperança, a confiança, a unidade nacional e retomada do crescimento."
— A nota traduz o sentimento não só da bancada evangélica, mas dos segmentos evangélicos — disse Campos.
Presente no ato, ao lado de Campos, o deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG), disse que os deputados evangélicos irão procurar as lideranças evangélicas de deputados que estão indecisos para explicar o porquê do impeachment e a importância de sua aprovação:
— A Frente Parlamentar Evangélica tomou a decisão para defender o povo mais humilde, que perdeu empregos. É uma decisão em prol dos mais pobres. Iremos visitar os pastores, lideranças evangélicas, para mostrar a importância do impeachment para recuperarmos a nação.
João Campos afirmou que não é uma posição religiosa ou partidária.
— Essa posição não é uma posição partidária, sequer religiosa. É uma posição em favor da nação. O país não pode continuar como está — disse Campos.
Um grupo de cerca de 10 deputados evangélicos estavam ao lado de Campos para a leitura da nota, entre eles Marco Feliciano (PSC-SP) e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ).
Segundo o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS), 80% dos deputados da bancada devem votar a favor do impeachment de Dilma.
Fonte: Extra e Point Rhema